« Página inicial | Diálogo sim, investigação internacional também » | O Presidente em directo » | O DIA EM QUE XANANA CONTEVE A FÚRI A LOROMONU » | A manifestação de Díli » | Partilha » | As primeiras 24 horas do resto da missão da GNR » | Parlamento timorense reabre e aprova medidas de em... » | O sofrimento das crianças de Timor » | Mais tarde... » | A GNR já saiu à rua » 

quarta-feira, junho 07, 2006 

Será o petróleo maldito?


A história da existência do petróleo de Timor faz parte das minhas recordações de garota. Abria-se um furo, o petróleo jorrava com força mas, logo de seguida, fechava-se o furo.
Havia duas versões para tal:
Uns, diziam que não havia petróleo em quantidade suficiente.
Outros, defendiam que Salazar preferia que não se propagasse a ideia de que Timor era rico, pois isso poderia ser mau para a “província”, atraindo as atenções externas e, por isso, deveria fazer-se de conta de que ele, o petróleo, não existia. Pensava-se que ele, o petróleo, poderia trazer a guerra.
E assim fomos sobrevivendo, sem guerra e à míngua, sempre de mão estendida pronta para os excedentes de outras “províncias” mais ricas, limitada pelo exíguo orçamento anual da província, pobre, cada vez mais pobre, mas amada, província profundamente filha amada do Império português que se estendia do Minho a Timor.
Esta foto ilustra justamente um desses furos abertos e fechados em Suai.
Morreu Salazar. Finou-se o Império.
Somos independentes e sabe-se que somos potencialmente ricos. Temos petróleo!
Agora que surge a hipótese, mesmo longínqua, de deixarmos de ser pobres, repetem-se as crises, os conflitos, a insegurança. Não tarda, estão a dizer-nos que não vamos saber gerir as nossas riquezas. Ou que os terminais de gás nunca poderão ficar estacionados aqui em Timor-Leste.
Mas, então, estaremos condenados a viver de esmolas eternamente?
Não queria nada, mesmo nada, ter de reconhecer a razão a Salazar! Prefiro acreditar que foi sua maldição!

http://dn.sapo.pt/2006/06/07/internacional/timorleste_pelo_prisma_australia.html
Será verdade?!

relativamente ao artigo do DN de Armando Rafael, nao ha duvida que a Australia tem outros interesses na zona geografica em que se insere, e decerto ninguem pode em plena consciencia achar que aquela metade de ilha que é timor-leste é prioridade maxima.
contudo, ha que ter em conta o enquadramento, ha que contextualizar. os pequenos pormenores, nestas andanças de geopolitica mundial, fazem toda a diferença.
aconselho algumas leituras australianas:

http://www.theaustralian.news.com.au/story/0,20867,19265741-25377,00.html

http://www.theaustralian.news.com.au/story/0,20867,19342623-25377,00.html

Afinal, quem está a mais em Timor? A GNR ou os aussies? Por tudo aquilo que NÃO têm feito e pelos problemas que têm vindo a criar, é fácil concluir: são parte do problema e não parte da solução

bem entendido. mas há pessoas que não o percebem assim. andam muito ocupadas em grandes teses de política internacional ou relações externas, coisas de livros e experts, todos de cabeça feita, penteados conforme o lado da barricada, e às vezes totalmente despenteados, só para parecer que têm pensamento próprio.

comentei o que disse cobramalai

mas toda esta confusão só mostra o que os australianos querem. nós é que somos uns anjinhos

obviamente que o problema de Timor é só apenas o petróleo, nada mais. O controlo pela extração de Petróleo tem sido desde a muito tempo uma tentação para Camberra, com as recentes medidas do governo de Timor, tem colocado em perigo o controle de Camberra sobre a extração de petróleo naquela zona. O suficiente para levar a criar um levantamento popular.

Enviar um comentário