« Página inicial | “Maromak sei tulun nia!”(1) » | Esperança » | Deve-se estar muito bem em Maubisse a comandar uma... » | GNR domingo de manhã em Timor » | Paredes meias com o caos » | Mari Alkatiri recusa ideia de um confronto étnico ... » | Reinado, as belas montanhas de Maubisse e os solda... » | Reinado, as belas montanhas de Maubisse e os solda... » | Demónios à solta » | Lorosae/loromonu » 

domingo, junho 04, 2006 

Bem vinda, GNR!


Com palmas, risos, ramos e açafates repletos de pétalas de buganvília, foi assim, em ambiente de apoteose, que os 120 militares da GNR foram hoje recebidos em Timor-Leste por gente sofrida, assustada, cansada. Povo que anda há tempo demais a fugir de si próprio, perdido, ao desnorte…
Entre risos e lágrimas, homens e mulheres, de todas as idades, dão conta da esperança que depositam neste punhado de homens.
Chegaram!
Cento e vinte homens, apenas. Um número que se agiganta pelo afecto, pela língua; os laços, a amizade, a história comum de muitos séculos, materializam-se ali mesmo. Nas palmas, nos risos, no choro nervoso. Na esperança!
Parece tratar-se de um exército de milhares, tal é a confiança que neles coloca a sofrida população timorense!
Uma lágrima furtiva desliza-me no rosto.
E também eu dou asas à minha esperança!

A GNR é bem vinda porque os timorenses sabem que a dipomacia economia portuguesa (bem ou mal) é nula. Ou seja, ao contrário da Australia, Portugal demite-se de qualquer interesse económico. So não vê isso quem não quer. É a Real Politik no seu extremo. Problemas internos em Timor?? Só por não querer ser um protectorado australiano!

Enviar um comentário