« Página inicial | Pesadelo » | Honra e Justiça » | Outra vez, sem Internet! » | Heróis de ontem, vilões de hoje... » | Firacos e calades » | Bem aparecidos bravos da GNR! » | Maldita insegurança! » | Um dia de cada vez » | Somos uma Nação independente! » | O regresso dos professores portugueses » 

segunda-feira, setembro 18, 2006 

Duas faces da mesma moeda

O homem parece mais velho do que realmente é. Marcos, o homem que parece mais velho embora ande aí pelos 45 anos, é natural de Maubara e trabalha na horta de um casal dos que ainda falam bom português. Tal como Marcos que ainda se explica bem nessa língua!
Uma das vezes em que resolveu saltar um muro para atalhar caminho de regresso a casa, deu um trambolhão e feriu-se num pé, fazendo enorme ferida que o obrigou a ficar retido em casa, coisa de que o Marcos não gostava nada. Ferida grande, pé esticado em forçado descanso e, pior do que tudo, fechado em casa o dia inteiro, foram desculpas mais do que suficientes para que Marcos não cuidasse nem pouco nem muito do pé ferido, esperando que o tempo se encarregasse da cura.
Mas porque doía muito, houve uma vez em que resolveu olhar o pé com olhos de ver e assustou-se mesmo a sério com o mau aspecto da ferida. Lá se decidiu a tratá-la!
Descrente do tratamento do hospital resolveu ir à bruxa da zona. Todos os dias, a ferida era lavada com Rinso -o detergente que torna tudo mais branco… -, coberta com uma camada escura de qualquer coisa indistinta, mastigada, cuspida com preceito pela bruxa. E cada dia lhe doía mais…
Novo dia de tratamento. Lavagem com Rinso, a ferida grande fazia já um grande buraco… A bruxa entendeu então que era preciso retirar o bicho que lá se havia alojado. Marcos não viu nada porque a bruxa lhe ordenou que virasse a cara para outro lado mas acredita que o bicho foi retirado…
Muitas idas à bruxa, muito camada escura colocada a cuspo, um bicho retirado e alguns vinte dólares pagos… passaram três meses e a ferida doía... Tempo demais para o Marcos esperar sentado! E voltou ao trabalho sem pé curado.
O pé de Marcos parecia mais descarnado com o buraco profundo que ia quase até ao osso e Marcos lá aceitou, finalmente!, ser tratado no hospital para onde o levara Marta, a dona da horta de que Marcos cuidava.
Na varanda do hospital, enquanto esperavam para ser atendidos, Marta falava em tétum – língua que utilizam normalmente - e Marcos respondia em português… Estranhou Marta que, só no regresso e deixado bem para trás o hospital, obteve resposta com a explicação de Marcos, agora já em tétum:
- Falei-lhe sempre em português, porque os refugiados do hospital são de Lorosae e eu estava com medo que, pelo meu sotaque, notassem que sou de Loromonu!

***

Mulher forte, decidida, sem medo, olhar a direito, inteligente… assim se poderia retratar uma senhora a quem vamos chamar Maria, natural de Baucau, para onde se esgueira sempre que pode e quando necessita de encontrar a paz perdida no bairro onde mora… Frequentou o liceu. Fala português, tétum, bahasa indonésio, inglês e macassae, com sotaque cantado, como convém a quem é de Lorosae!
Está em Díli há muitos anos, aqui casou, constituiu família – tem sete filhos e alguns netos - e vive lá para os lados do antigo mercado municipal.
Há tempos, Maria viu-se marginalizada no trabalho, tendo sido substituída por outra pessoa menos preparada. Nunca perdeu a compostura e aguentou firme. Negou-se a trabalhar com o substituto que iria ser o seu superior hierárquico.
Alguém lhe perguntou se receava perder o emprego e ela retorquiu que não tinha medo “ nem sequer de passar fome, porque um copo de água também enche a barriga!”.
A frontalidade valeu-lhe o respeito geral e ninguém teve coragem de a despedir.
Mas agora, lidando todos os dias com os apedrejamentos, as ameaças, as provocações, Maria aparenta um ar cansado, adivinhando-se mesmo algum receio. Também está desiludida com o rumo que o país tomou.
Tendo de fazer frente às múltiplas provocações que diariamente enfrenta, Maria arranjou já alguns subterfúgios para sair incólume de possíveis altercações de rua. É ela que explica:
- Sempre que vou ao mercado ou a qualquer lugar onde há um grande ajuntamento de pessoas, procuro manter-me o máximo de tempo possível em silêncio. Oiço atentamente as pessoas, presto toda a atenção ao que me rodeia e, só depois, começo a falar. Falo com sotaque adaptado ao momento. Se estou no meio de gente de Loromonu, não posso falar a cantar… vêem logo que sou de Lorosae! “

Duas faces do medo!
Medo de ser Timorense de corpo inteiro.
Medo do regionalismo.
Medo do tribalismo.
Medo de se afirmar como Cidadãos de um "Estado de Direito" que falha os seus filhos mais vulneráveis quotidianamente.
O actual Primeiro Ministro prometeu Mundos e Fundos...
Mas o MEDO continua, não só na Rua... mas até no interior dos Hospitais!
...enfim o fardo da dor sempre às costas da pobre gente.

Meus caros,
Xanana Gusmão e sua mulher AUSTRALIANA orquestraram um golpe de Estado com muita antecedência. Para o justificar, vou relembrar alguns episódios:
1º Xanana Gusmão não apoia a FRETILIM mas sim a criação do CNRT.
2º Xanana sugeriu a reconciliação nacional sem sequer fazer um julgar os malfeitores que cooperaram com as milícias indonésias. Lembro que uma boa parte da família do PR foi pró-indonésia...
3º Xanana Gusmão não concorda com a constituição timorense (praticamente igual à portuguesa) uma vez que não lhe confere muitos poderes como Presidente.
4º Xanana e o Major Alfredo são estão a favor da actual Bandeira de Timor uma vez que esta tem semelhanças com a bandeira da FRETILIM. Eles defendem como Bandeira Nacional a do CNRT.
5º Entre os conselheiros do Presidente da Republica de Timor existem, apenas, pessoas dos partidos políticos que são oposição à FRETILIM. Portanto, não há um conselheiro que represente o partido que governa com maioria absoluta.
6º A FRETILIM tem raízes muito profundas que a ligam à libertação de Timor. Portanto a maioria do Povo Maubere votou, vota e votará FRETILIM. Só um golpe muito bem orquestrado a fragilizará.
7º Antes de acontecer este conflito em Timor, as tropas australianas e os sues navios estavam preparados com mantimentos e equipamentos em Darwin (cidade australiana mais próxima de Timor). Não acham estranho que os australianos foram demasiado rápidos a responder ao pedido do Xanana? Outra coisa: o governo australiano enviou mais tropas do que aquilo que tinha sido pedido...
8º A primeira dama de Timor, que não é timorense, não tem ligação politica e que, portanto, não tem legitimidade politica para fazer declarações politicas deu entrevistas a meios de comunicação australianos dando a ideia que o Governo de Mari Alkatiri é incompetente...
9º Xanana defendia que os GNR portugueses deviam estar sob o comando autraliano...
10º foi clara a cumplicidade entre as tropas australianas e os infractores que queimavam sa casas das pessoas apoiantes da FRETILIM...
11º Os infractores são os mesmos que apoiaram o Xanana na celebre manifestação contra o Governo de Alkatiri. Além disso, entre os infractores há ex-milicianos pró-indonésios que foram "perdoados" pela reconciliação do PR... Não acham estranho que nos primeiros dias de conflito, foram roubados os processos que incriminavam os ex-milicias?
12º Xanana Gusmão pressionou a demissão de Alkatiri, Governo de maioria absoluta, sabendo que no próximo ano há eleições. Será que a demissão é necessária? Apenas faltam alguns meses para as eleições...
13º Xanana Gusmão, depois da demissão de Mari, queria impingir pessoas que não têm ligações à FRETILIM para substituir os ministros que se demitiram... estas pessoas, para quem está por dentro do assunto, seriam as marionetas do Xanana...
14º O Governo australiano tem todo o interesse na demissão do Mari uma vez que não concorda com o excelente acordo a favor de Timor relativamente ao petróleo. Por outro lado O Governo de Timor tem boas relações com Cuba (que cedeu muitos médicos cubanos para Timor e onde estão muitos timorenses a estudar medicina), com a China (que está interessada na exploração dos recursos naturais de Timor) e com o Kuwait(que vai dar um grande contributo na construção de autoestradas em Timor).
15º conhecem a frase "já ganhamos esta guerra!" presenciada por várias pessoas incluindo jornalistas? Pois é... foi proferida pelo Xanana...
16º porque é que o Xanana não queria receber a manifestação a favor do Governo da Fretilim?
17º Xanana foi eficaz ao pressionar um rápido julgamento de Alkatiri e de Rogério Lobato (ex-Ministro do Interior) enquanto o Major Alfredo, depois da entrega de armas circulava livremente em Dili exibido um documento do Presidente que lhe dava autorização para estar livre. Não se esqueçam que o Major Alfredo matou forças policiais timorenses. Outra coisa: há um video que mostra o Alfredo a matar uma pessoa e que foi feito com a intenção de aterrorizar os seus opositores e de gerar um maior pânico na população.
18º Alguns dias depois de expirar o prazo da entrega de armas foram encontradas armas e milhares de munições na casa que dava abrigo ao Alfredo. Sabem de que era a casa? Pois é... do Xanana! Outra coisa: quando a GNR queria deter o Alfredo com provas tão evidentes de crime, sabem o que é que o PR fez? Disse à GNR que a detenção era ilegal porque não tinham uma procuração!!!!
19º Sabem porque é que o Alfredo e outros criminosos fugiram calmamente da prisão? Porque militares australianos e neozelandeses abandonaram as instalações!!! Custa acreditar, não custa?
20º Porque é que será que os autralianos querem enviar mais tropas para Timor sabendo que já foi aprovado pelas Nações Unidas o envio de uma grande força policial nos próximos meses para Timor? É fácil: porque, assim, os australianos estarão em superioridades numérica e poderão facilmente defender a ideia de que devem ser eles a comandar as forças internacionais. Não se esqueçam que as eleições estão à porta...Para que é que Timor precisa de militares se não está em guerra? Trata-se apenas do estabelecimento da ordem pública! Basta prender os civis que estão a provocar os distúrbios!!!
Caros, é óbvio a associação entre Xanana, Camberra, Alfredo e o grupo de jovens infractores.
Há muito poder em jogo, o poder do Petróleo.

Esqueceu-se do Ramos Horta?!

Caro Maubere, muitos mais argumentos e provas poderiam ser acrescentados ao contéudo da sua postagem.
Acredito que você aponta na direcção correcta do que tem acontecido em Timor.
Limito-me a pedir-lhe que avance o que souber acerca do que foi feito pelo Ramos Horta: no fundo ele é o 'Maestro' que controla a orquestra que apresenta o 'Tenor' Xanana como face mais conhecida.

Enviar um comentário