« Página inicial | Díli, destino-aventura » | Mas, as crianças, Senhor... » | Que vai ser de Timor-Leste? » | Decepções » | Discurso de Xanana Gusmão ao Povo Amado e Sofredor... » | O Presidente falou! » | Ai, Timor Lorosa´e! » | A responsabilidade de Portugal » | Mistura explosiva » | Dormir? Não, obrigado! » 

terça-feira, junho 27, 2006 

Chuva da manga

Em épocas normais, por esta altura, tendo já passado o período das chuvas e quando o tempo está mais fresco e mais ajustado à época seca, a chuva de Junho tem uma razão de ser. Chama-se-lhe a chuva da manga. A Mãe Natureza lava e prepara as flores da mangueira para que a árvore possa frutificar convenientemente.
Tenho as minhas dúvidas de que hoje alguém se tenha lembrado disto quando, a meio da tarde e de imprevisto, a chuva caiu torrencialmente.
A cidade está parada há dois meses. O resto do país, com a vinda de milhares de manifestantes de Timor Lorosae e de Timor Loromonu, logicamente também paralisou. Para além de que quase toda a administração pública mal funciona.
Somos um país pobre mas permitimo-nos ao luxo de estarmos em crise há dois meses. Com o estado de emergência por mais trinta dias, tudo se tornará mais gritante. Adivinham-se tempos difíceis!
Hoje, o director do hospital nacional, via televisão, pedia encarecidamente aos enfermeiros que regressassem ao hospital, apelando para o carácter generoso e responsável do seu trabalho em prol do próximo. Mas, quem estará preocupado com o seu próximo, quando o a insegurança, o medo, o perigo, tomaram conta de cada pessoa?
Esta noite, aqui em Comoro já arderam três casas. No bairro Pité, outras tantas. Recomeçaram as provocações Lorosae, Loromonu. Surrealista é que o emblemático Maubere de 1975 – nome próprio vulgar na zona Loromonu, apenas na zona dos caladis-tocodede-mambai mas inexistente na ponta leste, tenha sido hoje transposto para os manifestantes firakus de Lorosae…
Sente-se alguma leviandade em tudo. Já ninguém se preocupa com a sua horta, os seus animais, com o seu trabalho e, noutra dimensão bem maior, quase ninguém se preocupa com o país. Somos um país à toa, sem norte. Empenhámos o futuro. Prefiro, contudo, acreditar que somos um país adiado e não um país falhado.
Estamos todos à espera. Que a crise passe, que os nai ulun* decidam o melhor.
Talvez por tudo isso, a acreditar que tudo tem uma razão de ser neste país mesmo quando o improviso e o imprevisto marcam o destino da terra; talvez porque os manifestantes queiram mostrar que a razão está do seu lado fazendo-o ruidosa e aparatosamente, talvez, diria eu, seja conveniente acreditarmos que a chuva que desabou fortemente sobre a cidade não serviu desta vez apenas para lavar as mangueiras e preparar a sua frutificação mas, sim, para refrescar os ânimos, arrefecer os ímpetos. De cabeça fria, pensa-se melhor! E, já agora, talvez possamos acreditar que, lavada e ultrapassada a desordem em que nos encontramos, floresça a paz e a estabilidade em Timor-leste!

* líderes

ola angela 19.56 horas da tarde.
hooooooooo as belas e deliciosas
mangas de timor era de comer muitas e chorar por mais,as que aqui se comprar nos supermercados não tem a qualidade e doçura das de timor.Quanto a situação que se vive por ai ´so tenho que dizer,(HAU HAMOIN BEI BEIK) loron loron venho sempre ver as suas noticias.ate amanhã manu fuik

correcção de erro (HAU HANOIN BEI BEIK)

Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

D. Angela
Tenho lido os seus textos e francamente transportam-me a Timor de 2002, quando la estive. As suas notícias são bem equelibradas e leva-me a visitar o blog diariamente.

Quanto as mangas, essas deliciosas frutas ....que bom seria se neste momento Timor-Leste fosse assim! Estou triste !

Com os cumprimentos

Enviar um comentário