« Página inicial | Arco-íris e sombras em Timor-Leste » | Mundial » | Pontiana, ou a mulher-pássaro » | Os novos dias de Díli » | A rua como sala de visitas » | Amor em tempo de cólera » | A GNR voltou às ruas de Díli, mas só no bairro de ... » | As mágoas de Anito Matos » | Ritos timorenses » | Alkatiri mandou matar opositores, acusam ex-guerri... » 

segunda-feira, junho 19, 2006 

Dormir? Não, obrigado!


No bairro de Bidau-Massau, as noites nunca mais foram as mesmas.
As noites calmas em que apenas se ouviam a espaços esses barulhos vulgares de uma cidade onde as pessoas se deitavam com as galinhas como o cri cri dos grilos, o cocorococó de um galo, o ladrar de um cão, a motorizada de um noctívago, o trinar de uma viola solitária ou até mesmo uma altercação familiar passaram à história.
Agora os homens não dormem. Dormir, passou a ser um luxo apenas permitido às mulheres e crianças.
José diz que durante o dia não há problemas, à noite é que é mais complicado! E isto porque os jovens do bairro, receosos dos ataques nocturnos dos bandos de marginais que continuam a semear o terror, entenderam ser seu dever zelar para que os homens se mantenham bem acordados!
E assim, se por acaso se faz silêncio – sinal de que alguém está a passar pelas brasas - chovem pedradas (das grandes, acrescenta o José) trazendo um alvoroço escusado a todas as casas; se o prevaricador continuar a transgredir dormindo sem permissão da guarda avançada, pode até acontecer que a casa venha ser incendiada…pelos do bairro, como castigo!

Quando lhe é perguntado se alguém pode viver neste sobressalto noite após noite, José até consegue sorrir quando explica que são regras necessárias que visam apenas o bem comum!

ola diak kalae?. Entaão o silencio da noite é tanto e o toké esse bicharoco tambem não dá sinal de cantar???. o nosso josé tem de cumprir com a guarda do bairro se não lá vai a casita com essa guerra urbana de bandos como vai acontecer no futuro quando tudo voltar á normalidade??hau iha hakfodak hanoin situasaun ba loron loron no futuro 1 adeus ate amanhã familia manu fuik sira manda cumprimentos ba ita boot

Estive em abril e maio em Dili, numa curta missão na FUP. E pergunto-me como poderão os timorenses repôr a paz nas ruas de Dili se o exército australiano continuar a alimentar o estado de necessitados... com tanto militar não era de esperar já que os bandos de marginais estivessem já controlados??? O que esperam a Igreja, Xanana e Ramos Horta??? Um poço de petróleo para cada um?? Alkatiri apesar de tudo merecia mais solidariedade e sentido de estado. Um abraço e muita paz...

Enviar um comentário