« Página inicial | Crianças » | Tempo de Natal » | O edifício da antiga Intendência Militar dos tem... » | A vida às escâncaras de quem passa... » | Fui a Lisboa e regressei cheia de vontade de volt... » | Doentes e doentes.... » | Vira o disco e toca o mesmo » | Atrevida ignorância! » | Depois de longa pausa... » | Até sempre, Torcato Sepúlveda! » 

quarta-feira, dezembro 24, 2008 

Feliz Natal!


Respira-se paz. O ambiente está tranquilo. A cidade está num frenesim próprio da época que vivemos. As ruas de Díli estão mais animadas e a noite não se apresenta tão calada nem tão triste como nos anos passados. E dos distritos não há notícia de caos. Pelo que, contrariando o que li sobre um artigo publicado em Sidney, por mais que me esforce – e o dia está claro e luminoso! – não consigo descortinar o tal ambiente de caos e de anarquia que alguém viu ou vê em Timor.
O que não quer dizer que não persistam alguns problemas que necessitam efectivamente de solução.
Sim, reparei que a notícia preconiza que as forças internacionais devam ficar aqui por mais algum tempito. Concordo que é preciso que fiquem. Mas, o que seria desnecessário era que se pintasse a manta de tão negro para que tal aconteça. Especialmente porque os pintores ou tecelões da manta devem ser os dos mesmos olhos desatentos de quem não previu o atentado ao Presidente Ramos-Horta...
E, pronto, depois disto, Feliz Natal!


QUE JESUS NASÇA NO CORÇÃO DOS GOVERNANTES DO TIMOR. HOJE QUANDO LEMBRAMOS O NASCIMENTO DE JESUS, EM NOSSAS ORAÇÕES LEMBREMOS DE QUEM É O RESPONSAVEL PELO SOFRIMENTO DO POVO DO TIMOR, OREMOS SEM CESAR, E DEUS HA DE NOS OUVIR. FELIZ ANO ANO TIMOR, FELIZ NATAL TIMOR...

Um FeLiz Natal para Timor e para o Mundo.
Isabel

A Pérola de Ataúro

Vivia com a mãe na Ilha de Ataúro ao largo de Timor. O pai e os irmãos tinham morrido durante a ocupação indonésia. De uma numerosa família de dez irmãos, restava apenas ela, a mais nova. Tinha 8 anos, ladinos e perspicazes e chamava-se Esperansa, que em tétum significa Esperança, tal como em português. Esperansa, percorria a ilha durante o dia procurando fruta e pescando algum peixe que levava para casa. A mãe, uma mulher vergada pelas agruras da vida, sofria de constantes falhas de memória e vivia num estado de apatia permanente...O dia-a-dia de Esperansa, era um autêntico quebra-cabeças para fazer compreender a sua mãe, as trivialidades diárias tais como ter que comer ou mudar de roupa. Todas as crianças da ilha, passavam os dias em alegre bulício, brincando ou indo à escola. Esperansa vivia apenas preocupada com a situação da mãe e sonhava, poder um dia, levá-la a um médico na Ilha de Java. Mas como?, se para isso era preciso muito dinheiro? É certo que vendia algum peixe e fruta...mas as economias eram tão poucas...e ela iria precisar de muitos, muitos anos para juntar o suficiente e levar a mãe até Java numa viagem que seria feita de barco ou de avião. Este assunto preocupava a pequena Esperansa enquanto pescava ou então, sentada à beira-mar, observando os homens a mergulhar em busca de qualquer coisa que ela não sabia bem o que era...mas de que ouvira falar vagamente...pérolas! “ E valem bom dinheiro!” dissera-lhe um vizinho.
Caía a tarde e aproximava-se a noite de Natal. Esperansa vai para casa preparar o jantar com o peixinho que pescara. Ceava mãe e filha, olhando o presépio que a pequenita fizera em palapa e uns corais da praia por ela transformados em Sagrada Família. Há alguns anos que era assim! Depois da ceia, rezava as orações, dava um beijo na mãe e no Menino Jesus e ia para o quarto. Não tinha presentes, mas pedia sempre ao Deus Menino a cura de sua mãe! Por fim, adormecia.
A manhã de Natal na ilha de Ataúro, acordou envolta em espessa neblina. Esperansa arranjou-se e dirigiu-se ao Presépio para fazer as habituais orações da manhã. Abriu a boca de espanto ao reparar que junto do Menino Jesus, estava aquilo que ela confirmou ser uma pérola, muito redondinha, a luzir...

Palmira Marques

Este comentário foi removido pelo autor.

Oi!

Resolvi postar este comentário nesta tua postagem devido à data... Recém passou mais um natal! E eu, que faço pós-graduação sobre literatura timorense, continuo à cata de materiais para compor uma bela dissertação sobre o país que nem conheço... Ângela, seria possível que fizéssemos, eu e tu, contato sobre o Timor? Eu ficaria muito grata! Seria importante, creio, também para o país e para o escritor Luís Cardoso (que pesquiso). Se for possível, aguardo teu retorno. Se não for, agradeço igualmente!

Um forte abraço!
Obrigada pelo blogue!

Enviar um comentário