« Página inicial | Mais tarde... » | A GNR já saiu à rua » | Morrerá a culpa solteira? » | Sinais de recuperação » | Bem vinda, GNR! » | “Maromak sei tulun nia!”(1) » | Esperança » | Deve-se estar muito bem em Maubisse a comandar uma... » | GNR domingo de manhã em Timor » | Paredes meias com o caos » 

segunda-feira, junho 05, 2006 

O sofrimento das crianças de Timor

A 21 Abril de 1999, quando pela primeira vez cheguei a Díli, uma das coisas que logo me chamou a atenção foram as crianças. Escrevi, logo nesse dia, uma crónica que, se a memória não falha, intitulei como “Díli, a cidade das crianças”. Falava sobre a enorme quantidade de meninos e meninas que andavam pelas ruas da cidade ainda ocupada pela Indonésia. Como brincavam inocentes entre os blindados e carros de transporte de militares indonésios que permanentemente circulavam pela cidade. Encantei-me com a beleza daqueles meninos. Ao longo desse ano, e nos seguintes, já depois do referendo que libertou Timor, escrevi dezenas de textos com crianças timorenses dentro. Textos sofridos sobre crianças que passavam fome, que viviam escondidas nas montanhas, que eram perseguidas e mortas pelos militares ocupantes. Crianças que aprenderam a chorar em silêncio para não atraírem o inimigo ou que, de tanto sofrer, já não tinham mais lágrimas para soltar. Perdi a conta às vezes que também eu chorei sozinho, à noite, no quarto do hotel então chamado Makota, o sofrimento daquelas crianças. Escrevi também textos felizes sobre as crianças timorenses: como elas aprenderam depressa, já depois do referendo, as palavras que, antes votação libertadora, os pais se limitavam a sussurrar. Palavras como independência, liberdade, Xanana Gusmão, Timor Lorosae (nesses anos todos eram de Timor Lorosae, mesmo os de Timor Loromonu). As imagens dos últimos dias das crianças nos campos de refugiados voltaram a trazer-me à memória os dias tristes e sofridos dos meninos e meninas timorenses, que agora voltam a ser as principais vitimas. Vitimas dos bandos que incendeiam, pilham e matam em Díli. Vitimas dos chamados militares revoltosos que ameaçam chantageiam o país. Vitimas dos políticos timorenses e estrangeiros que colocam os seus interesses pessoais e políticos acima das pessoas. Será que esta gente não vê que estas crianças estão outra vez a sofrer. Será que não percebem que estas crianças voltaram a não viver em liberdade. Será que esqueceram tão depressa o que foi o sofrimento de todos no passado. (Fotos Mark Baker/AP)

Infelizmente o Ser Humano, em cuja definição entra a palavra racional, adopta, muitas vezes, comportamentos irracionais, usa e abusa da falta de memória e o sofrimento do passado é rapidamente arremessado para um canto recôndito do cérebro, é esquecido. Tudo se passa como se se accionasse com um mero toque digital o botão "delete" e a informação até aí armazenada deixa de existir...O pior de tudo isto é que com tanta falta de memória quem mais sofre são os que em nada contribuíram para a dita. Aqueles que apenas com o som do seu sorriso conseguiriam manter à tona de água o melhor do seu país, o que não significa apagar as memórias do sofrimento passado. Se ao menos se prestasse atenção ao sorriso das crianças certamente que jamais olvidariam o que é sofrer...

Que o Mundo puna hoje aqueles que são responsaveis pela destruição dos homens de amanhã.

São estas as reais vitimas da ganancia dos homens mal formados.

Crianças de hoje homenss traumatizados , com ódios no amanhã.
Onde está a UNICEF?, Onde esestão as ONGs que apoiam estas acrianças ?
Quem os protege de taamanha orda de parasitas?.

Sermos Solidarios não chega.
Que sejamos o eco daqueles dilacerentos gritos de dôr e contribuiamos para o despertar de consciencias.

Enviar um comentário